Opinião

Política Pós-Factual: O dia em que o PIB destruiu uma narrativa?

Comments (2)
  1. Luis Pinto says:

    Tal como o capitalismo, a ignorância adapta-se e é resiliente.

  2. ASousa says:

    Concordo com este excelente trabalho que mostra uma realidade que também me tem feito expressar a mesma dúvida e apontar os mesmos caminhos como solução. Combater a ilitracia política de um povo alimentado a futebol, missas e trabalho escravizante ou indignante, requer doses profundas de saber e firmes de querer. A luta no bom sentido, requer união de esforços e sinergias, chamando a atenção para a necessidade de se reverem as ideologias, buscando novos paradigmas para a área da governação e da gestão humana, gasta de vícios, os de antes do 25 de abril e os novos, melhor adaptados à manipulação de massas com a subtileza das promessas vãs por cumprir. O tempo, esse amigo especial, levará pela morte os mais velhos, incapacitados de se modificarem e por isso não prestáveis para modificar positivamente uma só vírgula da vida actual. Resta pois a luta, não mais de classes, não mais sectária, corporativa, mas global, onde o plural sobreponha o individual na redistribuição de recursos dando a cada um segundo a sua necessidade, recolhendo de cada um segundo a sua possibilidade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Geringonça

© Geringonça 2016